• images/slider/01_raio.jpg
  • images/slider/02_tigre.jpg
  • images/slider/03_sol.jpg

Neurociência do trauma: implicações clínicas e terapêuticas

  • Em 04, 05 e 06 de maio de 2012.
  • De 09:00 às 17:30, com intervalos para café e almoço (almoço não incluído no valor da inscrição).
  • Será feita tradução sequencial.

A Associação Brasileira do Trauma (ABT) com o apoio do Instituto de Psiquiatria (IPUB) da Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ), organiza e promove um workshop inédito.

Nele será apresentado o conhecimento de como se relacionam a experiência psicológica com a regulação fisiológica (Teoria Polivagal), como a vasopressina e a oxitocina influenciam quimicamente esta interação (Neurobiologia das Emoções), e como a técnica de Somatic Experiencing® (SE) está construída sobre essas e outras descobertas das neurociências para decompor e organizar as manifestações do complexo vagal submetido a processos traumáticos.

Três dias em contato direto com os pesquisadores que desenvolveram estas propostas e que demonstrarão de forma original a interação entre seus trabalhos, propiciando uma experiência única.


Palestrantes

Stephen Porges, Ph.D. é professor de Psiquiatria e Bioengenharia da Universidade de Illinois em Chicago, onde dirige o Brain-Body Center. Sua pesquisa é multidisciplinar e ele tem trabalhos publicados em disciplinas diversas como anestesiologia, medicina de tratamento intensivo, ergonomia, fisiologia do exercício, gerontologia, neurologia, obstetrícia, pediatria, psiquiatria, psicologia, medicina espacial, e de abuso de substâncias. Em 1994, ele propôs a Teoria Polivagal. A Teoria Polivagal fornece insights sobre os mecanismos mediadores de sintomas observados em vários distúrbios físicos, comportamentais e psiquiátricos, incluindo autismo, depressão, TDA, TEPT e esquizofrenia. Sua pesquisa está levando ao desenvolvimento de intervenções inovadoras projetadas para estabilizar estados comportamentais e psicológicos e estimular o comportamento social espontâneo.
É autor de The Polyvagal Theory: Neurophysiological Foundations of Emotions, Attachment, Communication, and Self‐Regulation (Norton, 2011). Dr. Porges é ex-presidente da Federation of Behavioural, Psychological and Cognitive Sciences e da Society for Psychophysiological Research.

Peter A. Levine, Ph.D. é o criador e fomentador da Somatic Experiencing® (SE) e o Diretor do The Somatic Experiencing Trauma Institute. Ele possui doutorado em Biofísica Médica e em Psicologia. Durante os seus trinta e cinco anos de estudo do estresse e trauma, Dr. Levine tem contribuído para uma variedade de publicações científicas e populares.
Foi consultor da NASA sobre a questão do estresse durante o desenvolvimento do ônibus espacial, e tem ensinado em centros de tratamento, hospitais e clínicas de dor em todo o mundo, bem como no Hopi Guidance Center , no Arizona. Dr. Peter serviu no World, Psychologists for Social Responsibility , um programa mundial de iniciativa do presidente dos EUA para resposta a desastres em larga escala e a guerras etno-políticas . Atualmente é membro especial do corpo docente do Santa Barbara Graduate Institute . Seu livro best-seller, O Despertar do Tigre; Curando o Trauma (Waking the Tiger; Healing Trauma), foi publicado em 20 idiomas.

C. Sue Carter, PhD. é professora de Psiquiatria e Co-Diretora do Brain-Body Center da Universidade de Illinois, em Chicago. Dra. Carter estuda a neurobiologia do comportamento sócio-emocional, incluindo laços sociais e comportamento familiar. Uma pesquisa feita por Dra. Carter e seus colegas estabeleceu a ratazana da pradaria como um modelo para analisar a neurobiologia da monogamia.
Seu trabalho também levou à descoberta de que a oxitocina e a vasopressina podem programar o sistema nervoso em desenvolvimento com consequências permanentes para o cérebro e o comportamento. Está atualmente envolvida como colaboradora em uma pesquisa que examina o papel da oxitocina e da vasopressina em doenças mentais incluindo esquizofrenia e autismo.
É autora de mais de 250 artigos e editou 5 livros, incluindo “Attachment and Bonding: A New Synthesis” (MIT Press, 2006). Dra.Carter é presidente da International Behavioral Neuroscience Society, e foi ganhadora do Research Career Scientist Award do National Institutes of Health.

Objetivos do Workshop

Tópicos abordados:

• Mudanças evolutivas e funções adaptadas no sistema nervoso autônomo.

• Como a evolução de uma conexão face-coração forneceu os elementos para um sistema integrado mente-corpo de engajamento social.

• Características comprometidas do sistema de engajamento social nos transtornos psiquiátricos e comportamentais.

• Neurocepção: nossa capacidade de detectar riscos e segurança sem consciência.

• Como nossos ambientes sociais e físicos desencadeiam mudanças adaptativas no estado fisiológico que podem resultar em comportamentos inadequados.

• Desmistificando respostas biocomportamentais ao trauma e abuso como "adaptativa".

• Expandir nossa compreensão das estratégias de defesa para além dos comportamentos de luta e fuga para incluir estratégias defensivas de imobilização.

• A contradição entre a função adaptativa de imobilização e comportamentos potencialmente inadequados e dificuldades clínicas.

• Como os neuropeptídeos da oxitocina e vasopressina se enquadram na Teoria Polivagal.

• Os papéis que a oxitocina e vasopressina desempenham na modulação da função autônoma e na regulação do comportamento social e das emoções.

• Como o cortisol (hormônio do estresse) e catecolaminas (epinefrina e norepinefrina) se encaixam dentro da Teoria Polivagal.

• O papel que o cortisol e as catecolaminas desempenham na modulação do comportamento de mobilização e de estratégias de defesa. • Como o médico pode usar uma compreensão da Teoria Polivagal no setting clínico.

• Somatic Experiencing® e sua relação com a Teoria polivagal.

Objetivos:

• Descrever as bases da Teoria polivagal.

• Descrever como a Teoria Polivagal pode desmistificar vários aspectos relacionados a transtornos psiquiátricos e problemas de comportamento.

• Descrever como déficits no controle do Sistema de Engajamento Social são expressos como a principal característica de vários transtornos psiquiátricos.

• Explicar como os comportamentos mal adaptados, que podem acompanhar vários transtornos psiquiátricos, podem refletir respostas adaptadas desencadeadas por mecanismos de sobrevivência.

• Explicar como o processo neural, neuroreceptivo, avalia riscos no ambiente e dispara circuitos neurais adaptados, que promovem interações sociais ou comportamentos defensivos.

• Definir o Sistema de Engajamento Social, que são os mecanismos neurais que ligam o cérebro a face e ao coração.

• Explicar como os recursos do Sistema de Engajamento Social são comprometidos pelo estresse e trauma.

• Explicar a interdependência da regulação autonômica e a oxitocina para estabelecer laços sociais e regular as respostas ao estresse em contextos sociais.

• Como tratar com SE casos de distúrbios que resultam da dependência crônica sobre respostas de stress passados.

• Como SE pode se ligar à regulação dos estados fisiológicos como apresentado pela Teoria Polivagal.

• Como trazer a sensação de segurança, o sentido do Self, e como restaurar o senso de bondade, usando a abordagem da SE.

Local de evento

Centro de Convenções do CBC

Rua Visconde de Silva, 52 - 1º Andar
Botafogo | 22271-092
Rio de Janeiro | RJ Brasil |

Buy cheap web hosting service where fatcow web hosting review will give you advices and please read bluehost review for more hosting information.